13 jun 2017

OS MITOS DO CANVAS

No Comments Abertura de Empresa, Economia Digital, Empreendedorismo, Inovação, Modelo de Negócio, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Plano de Negócios, Proposta de Valor, Startup

Não há um único jeito de se construir negócios e o canvas não fará milagre, mas ele pode ser um excelente ponto de partida entre outras ferramentas e metodologias que possam se somar.

lounge-empreendedor-mitos-sobre-o-canvas

Poucos temas têm sido comentados de forma tão ampla e abrangente no meio empreendedor quanto o Business Model Canvas, popularizado por Alex Osterwalder em seu livro Business Model Generation. Não é para menos, pois é uma primeira referência básica e bastante simples do mundo dos negócios para quem vai empreender e não tem formação em administração.

Para quem está se familiarizando com este conceito pela primeira vez, o Canvas é a apropriação de um termo em inglês usado por artistas plásticos para designar as telas usadas para pintar. Em negócios, tomou a forma de um modelo visual através do qual o empreendedor apresenta os principais elementos do seu negócio, apresentado a seguir:

lounge-empreendedor-canvas

O modelo demonstra qual é produto que a empresa venderá para qual tipo de cliente. Quais são as matérias primas necessárias para fabricar este produto. Neste ciclo, demonstra-se também quais são as atividades e recursos necessários na fabricação e como levar a proposta de valor do produto para o mercado e atrair a atenção do cliente. Complementando o modelo, a parte financeira indica as fontes de receita do negócio e os respectivos custos e despesas.

Desta forma, o modelo apresenta o conceito do negócio em apenas uma folha. As relações entre as partes do modelo é que caracterizam a lógica do negócio e justificam seu funcionamento. Embora não seja ainda um estudo de viabilidade da ideia, o Canvas serve como um primeiro rascunho de como o negócio irá funcionar. Muitos dizem que é um preâmbulo do futuro plano de negócio e alguns ainda afirmam que o Canvas chega a substituir o plano.

O Canvas não pode substituir o plano de negócio. O plano de negócio ainda é uma ferramenta imprescindível para a formação do conceito do negócio. Não se pode montar um negócio baseado apenas no seu rascunho, sobretudo se o investimento for alto e, proporcionalmente, o risco também. Em meu último livro 'Plano de Negócio em 40 Lições', falo mais a respeito da importância do plano de negócio para o empreendedor iniciante, mas vamos aos pontos principais de cuidado com relação ao Canvas:

  1. Se você tem MBA ou formação em Administração ou Negócios, o Canvas é insuficiente, não traz os elementos mais importantes para se analisar o negócio com profundidade, apenas serve para mostrar a lógica do negócio.
  2. O Canvas não é uma ferramenta de inovação, é apenas uma forma mais simplificada de olhar um negócio. Qualquer tipo de negócio pode ser mapeado no Canvas, de uma padaria a um aeroporto, de uma montadora de automóveis a uma escola de equitação. Seja um produto ou negócio inovador ou não, o Canvas mostra os componentes deste negócio.
  3. O Canvas deve ser usado como um rascunho. O que for escrito nele pode e deve ser mudado na medida em que a ideia do negócio vai se desenvolvendo e evoluindo, por isso, é recomendável imprimir uma versão grande do modelo e pregá-lo na parede, preenchendo os campos com folhas de post-its que podem ser retirados e mudados de forma livre.
  4. Embora muitos digam que o Canvas se começa pelo segmento de clientes, isso não é obrigatório. Se você tem um produto e vai levá-lo para o cliente, comece pelo mais fácil e o que você já tem na mão, ou seja, recursos-chave, parceiros e atividades. Se você já conhece o mercado e vai desenvolver o produto para ele, faça o contrário, comece pelo segmento de cliente, a proposta de valor e os canais de comunicação e distribuição.
  5. Preencher o Canvas é fácil, o difícil é enxergar um modelo de negócio viável nas relações entre os campos. A lógica do modelo de negócio é mais importante do que seus componentes em si. É preciso ver se as partes do negócio se interconectam de forma a fazerem sentido e isso o Canvas, sem uma boa interpretação, não mostra sozinho. Veja em meu outro artigo aqui no Santander Empreendedor o conceito de modelo de negócio.
  6. Um bom Canvas é construído de forma cooperativa, trazendo pessoas que conhecem o setor e o ramo e que possam trazer críticas construtivas ao modelo que está sendo gerado. Um provável cliente, um provável fornecedor e um parceiro estratégico podem complementar o time de desenho do negócio.
  7. Por fim, o Canvas não traz o conceito de estratégia, que é fundamental para qualquer negócio. A visão superficial do modelo apresenta sua estrutura e não os caminhos para a sua implantação. A lógica do negócio pode fazer todo o sentido do mundo, mas se ele não for implantado da forma correta, pode se tornar um grande fracasso.

Se você estiver com tempo, além do texto do Marcos Hashimoto que compartilhamos acima, assiste esse vídeo… Vai ajudar muito no entedimento sobre o Canvas e sobre toda a estrutura necessária para saber como funciona essa técnica de modelagem de negócios.

Marcos Hashimoto é Coordenador e Professor do Centro de Criatividade e Empreendedorismo da FAAP, Consultor e Palestrante, doutor em Administração de Empresas pela EAESP/FGV (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas), autor do livro Lições de Empreendedorismo e do software SP Plan de planos de negócios. Seu site pessoal é www.marcoshashimoto.com.

 

11 set 2015

DICA DE LEITURA: A ESCOLA DOS DEUSES

No Comments Aprendizagem, Carreira, Coaching, Comportamento, Liderança, Mudança, Negócios, Proposta de Valor, Sucesso

“Fundará uma escola do Ser, para quem tem um sonho a realizar. Nela se ensinará que o sonho é a coisa mais real que existe (…) Que isso que a humanidade chama realidade não é outra coisa senão o reflexo do seu sonho. Criará uma Escola da responsabilidade, uma escola para filósofos de ação, que ensina que felicidade é economia, que a riqueza, o bem estar e a beleza são direitos de nascença de todo ser humano.”

lounge-empreendedor-escola-dos-deuses

Não muito conhecido no meio literário do Brasil, mas de grande representação no cenário europeu, “A Escola dos Deuses – Formação dos líderes da nova Economia” é um romance escrito pelo sociólogo italiano Stefano Elio D’Anna, reitor da ESE, European School of Economics publicado no Brasil pela Editora Pró-Libera.

lounge-empreendedor-escola-dos-deusesO livro é apresentado como um plano de fuga para escapar da prisão da mediocridade, de uma vida mecânica e repetitiva, sem originalidade, sem alegria. Posso dizer, sem a menor sombra de dúvida, que quando li pela primeira vez, vi várias das minhas crenças darem uma boa “chacoalhada”, pois o livro desafia nossa visão usual e hipnótica do mundo, nossos hábitos arraigados, as convicções obsoletas, as ideias de segunda mão que tomamos emprestadas sem que tenhamos alguma vez ousado colocá-las em discussão.

E não me venha dizer que você não é assim… Somos todos um pouco “pasteurizados” pelas normas e crenças populares!

Indicado a empreendedores, estudantes e todos aqueles que querem relembrar seu sonho e vê-lo realizado, “A Escola dos Deus” narra a história do renascimento de um ser humano comum, que encontra um ser extraordinário – o Dreamer – e, ao lado dele, empreende uma verdadeira revolução individual considerando aquilo que, por vezes já tratamos aqui no Lounge Empreendedor:

"TODA A MUDANÇA OCORRE DENTRO, NÃO FORA DO SER HUMANO"

Muitos irão pensar que sua linguagem é complicada ou que só os economistas poderão entende-lo. Mas não é o que acontece com quem toma a iniciativa de lê-lo.

O livro tem narrações diretas e simples de serem entendidas, e por contar a história com o Dreamer, recorre ao constante emprego de máximas e histórias que nos lançam verdades irrefutáveis sobre os mais diversos vícios humanos como o gostar de sofrer, viver na dependência sem liberdade e alegria, e a hipocrisia de atitudes altruístas que são na verdade egoístas. Ah! E tudo isso sem o menor esforço para evitar a crueldade dos fatos.

Ao longo do livro, percebemos uma série de críticas à sociedade tanto na sua forma de pensar e agir como na maneira que trata e educa as pessoas rumo ao “sucesso”. Ousaria afirmar que o livro, talvez, só faça sentido se você estiver em busca da essência das coisas, do regresso à completude, a um estado de integridade do qual o ser humano se esqueceu. Agora, se você é um daqueles sonhadores pragmáticos, capazes de harmonizar os aparentes antagonismos como economia e ética; ação e contemplação; poder financeiro e amor, você irá se deliciar (e se questionar também!)

Costumo encontrar neste livro aquilo que realmente acredito: o sonho é a coisa mais real que existe e o objetivo de formar uma nova humanidade não será possível senão pela transformação individual, sendo – nós mesmos – responsáveis pelas nossas escolhas e pelo que acontece em nossa vida (o bom e o ruim). Tenho certeza que você vai se lembrar de várias pessoas que conhece e de várias situações que já viveu. Dentre os diversos temas abordados, alguns foram os que me chamaram a consciência:

  • Auto-observação é autocorreção
  • A morte nunca é uma solução
  • É proibido matar-se dentro
  • O mundo é como você o sonha
  • Quem ama não pode depender
  • Visão e realidade são uma mesma coisa
  • Uni-verso. Verso o uno

Ok, legal, mas e o que isso tem a ver com a jornada empreendedora, Ana?

Oras, todo empreendedor precisa descobrir seu próprio sonho e fazer aquilo que ama para alcançar suas aspirações mais sublimes. Porém, precisam se libertar da doença mais temida do planeta que não é o câncer nem a aids, mas o pensamento conflituoso.

Para mudar o destino do ser humano é preciso mudar a sua psicologia, seu sistema de convicções e crenças. Somente uma revolução individual, um renascimento psicológico, um restabelecimento do ser, de cada ser humano, célula por célula, poderá conduzir a um bem-estar planetário, a uma civilização mais inteligente, mais verdadeira, mais feliz.

Porém, essa é uma transformação individual que não pode ser delegada. É um compromisso do indivíduo para com ele mesmo. Por isso, digo que Stefano Elio é um verdadeiro mestre de autoconhecimento e autocorreção e confesso que já reli “A Escola dos Deuses” outras duas vezes, depois do meu encantamento inicial. Sim! Esse é um livro que merece releituras… Aliás, faço aqui uma recomendação:

Reserve, mais ou menos, uma hora antes de você ir dormir para lê-lo. (Você pode optar pelo áudio book também!) Limpe sua mente de tudo o que te aconteceu durante o dia e se concentre nas palavras. Deixe as mensagens entrarem na sua mente e alimentar seu espírito. Dê tempo para que seu cérebro absorva cada uma das lições.

Deixe que seu cérebro, assim que entrar em repouso, transforme suas mensagens diretas (ou não) em desejos no seu subconsciente. Se prepare para fazer a viagem mais importante da sua vida: a viagem interior. Você será apresentado a sua verdadeira essência. Caberá a você fazer a escolha de mantê-la escondida do resto do mundo ou deixá-la se expandir e ser vista por todos.

Lembre-se, apenas, que estamos aqui para aprender a sonhar novos sonhos e que todo e qualquer mal pode desaparecer se entendermos que tudo provém de dentro.

"CUIDE DO QUE HÁ DENTRO DE VOCÊ!"

SOBRE O AUTOR:

STEFANO ELIO D´ANNA é economista, sociólogo e escritor de best-sellers. Graduou-se com honras em Economia pela Universidade de Nápoles, concluiu seu mestrado na London Business School ( Programa ITP) e doutorado em Sociologia da Comunicação, na Universidade Católica de Milão. Stefano ocupou cargos de liderança em grandes multinacionais e já participou de inúmeros seminários internacionais para líderes globais, em que expôs suas teorias sobre Liderança, Integridade e Longevidade Corporativa.  Suas publicações incluem os livros "Berlusconi in Concert", "A Dream For The World" e o best seller "A Escola dos Deuses", já traduzido nos principais idiomas da Europa, em russo, chinês e turco.

03 set 2015

MCWHOPPER: LIÇÕES DE BRANDING PARA SUA EMPRESA

No Comments Administração e Gestão, Economia, Empreendedorismo, Inteligência Competetitiva, Marketing, Mercado, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Promoção de Vendas, Proposta de Valor

O Dia da Paz acabou travando um embate entre Burger King e McDonald’s. Há quem defenda um ou outro, mas o que você pode aprender?

lounge-empreendedor-mcwhopper

Nesses últimos dias, presenciamos nas redes sociais um fato bastante inusitado e curioso, e que começa a ser tornar cada vez mais frequente no universo das marcas. A rede de fast food Burger King, que recentemente também andou discutindo com a rede de frango KFC, se envolveu em outro embate discursivo. A proposta, em formato de um vídeo, partiu do Burger King em criar um sanduiche híbrido: juntar o Big Mac e Whopper em um só e criar o McWhopper.

A nobre intenção era fazer um dia especial e sem rivalidades, por conta do Peace One Day, que será no 21 de setembro – data deteminada pela ONU para promover o Dia Internacional da Paz. Além do vídeo, o Burger King endereçou uma carta ao McDonald’s e fizeram um site especial. Infelizmente, o McDonald’s não aceitou a proposta do McWhopper e publicou um texto de recusa, orginalmente em inglês, mas que logo foi compartilhado pela marca no Brasil.

Vamos aos fatos:

No texto, o McDonald’s tentou propor uma ação mais ampla em conjunto, falando que a paz por uma guerra de hambúrgueres não seria equivalente à proposta de paz vinda da ONU. E para agravar ainda mais, o McDonald’s provocou a concorrência nas entrelinhas dizendo que um simples telefonema seria o bastante para essa questão ser debatida, dando a entender que não aprovou a exposição protagonizada pelo Burger King.

Por fim, a página da marca genuinamente brasileira Giraffas percebeu uma deixa em todo esse caso e publicou que aceitaria a proposta do Burger King. Ainda por cima, sugeriu dois nomes para o sanduíche: BK Brutus e GiraWhopper.

O assunto meio que parou por aí, mas as repercussões explodiram nas redes sociais. Esse tipo de discussão digital entre marcas não é grande novidade. Vimos algo similar tempos atrás quando marcas de banco como Itaú, Bradesco e Santander disputaram a atenção de um consumidor no Facebook por meio de uma espécie de um jogo de palavras e rimas.

E se…?

O Burger King tem adotado com certa frequência posturas como essa, de provocar outras marcas pela via do humor, mas isso não nos leva a crer que tenha agido de má fé nesse episódio. Muito pelo contrário. O BK quis testar novos formatos discursivos da marca e quis apenas provocar e cutucar um pouco o McDonald’s, mas certamente já imaginando que eles não fossem entrar no jogo, que foi exatamente o que aconteceu.

ENTRAR EM UM JOGO DE PROVOCAÇÕES COMO ESSE PODE FERIR O COMPORTAMENTO PADRÃO DE UMA MARCA, VIS-À-VIS OUTRAS VÁRIAS PRESSÕES, CRÍTICAS E PROVOCAÇÕES.

O silêncio ou a resposta discreta, como foi o caso, pode fazer parte de uma estratégia da marca.

O que poderia acontecer se McDonald’s tivesse aceitado é muito difícil imaginar, pois isso iria “remixar” a proposta de valor do Big Mac, o principal hambúrguer da rede. E atenção aqui, ele é mais que um mero sanduiche: é símbolo de uma cultura norte-americana, é um lanche que simboliza índices econômicos pelo mundo. Preferiram deixar a marca Big Mac devidamente blindada.

Uma conversa entre gigantes

Podemos analisar toda essa situação sob diversos prismas. Primeiro que, ao mesmo tempo que vemos uma tendência clara de pessoas se tornarem marcas hoje em dia, vemos também marcas se comportando da mesma forma que pessoas. E por meio de astutas estratégias discursivas, evidenciamos hoje essa clara tendência de marcas se humanizando, agindo como se ela fosse realmente uma pessoa.

A própria Coca-Cola protagoniza ainda hoje uma ação muito bem feita, onde coloca nomes de pessoas nas suas latinhas. Outros negócios lucrativos, como Magazine Luiza, Bombril ou Sadia, se corporificam na figura de uma mascote para aproximar a marca ainda mais das pessoas. Burger King, McDonald’s e Giraffas, em todo esse debate, podiam ser vistas como verdadeiras pessoas em discussão, e não grandes corporações multinacionais, movidas a resultados, o que elas são, de fato.

Outro ponto de análise bastante pertinente que nos cabe refletir nesse momento é: esse tipo de estratégia de humanização, que Burger King e tantas outras utilizam, constrói relevância de marca? O quanto que uma postura arrojada dessa, ainda que muito inovadora, está alinhada com o posicionamento e demais pontos de contato da marca? Protagonizar cases bem humorados e polêmicos que viralizam constroem marca, e ajudam a reforçar um posicionamento? São questões candentes e que nos exigem reflexões.

SEJA QUAL FOR O TAMANHO DA EMPRESA, FAZER UM TRABALHO DE BRANDING É CONSTRUIR UM POSICIONAMENTO DE MARCA RELEVANTE NA VIDA DAS PESSOAS.

E não se trata de uma tarefa simples. Tudo isso deve ser feito de forma muito cuidadosa, responsável e, sobretudo, muito consistente e alinhando sempre todos os pontos de contato.

Moral da história

Sob a ótica de inovação, pensar coisas novas e ter coragem para executar novas formas discursivas de conectar marcas às pessoas, Burger King e McDonald’s merecem nota dez. Mas sob a ótica de construção consistente de relevância de marca na vida das pessoas, tenho minhas dúvidas.

Vivemos num mundo de excesso de marcas, saturação de mensagens publicitárias, nossas fraquezas cada vez mais expostas e um desafio cada vez maior de se chegar a diferenciais competitivos. Se não tivermos muita consistência em todos os pontos de contato, corremos o risco de não construir um posicionamento efetivo. Se adotarmos uma postura de marca no balcão da loja, outra postura na propaganda, outra junto a fornecedores, uma outra linguagem no Facebook, outro tom de marca no 0800 da empresa, corremos sério risco de sermos inconsistentes e pouco percebidos na vida dos consumidores. E infelizmente é isso que vemos na realidade de muitas dessas marcas hoje em dia.

Construção de relevância de marca é um desafio atípico, exige preparo e capacitação. Construir marca, hoje, é tocar a vida das pessoas – de forma criativa, com excelência na execução e harmonizando o nosso propósito em todos os pontos de contato. As pessoas virando marcas e as marcas virando pessoas. É complexo, é estranho, mas é o que evidenciamos hoje.

Ser relevante e dar uma razão para os consumidores nos desejarem é a melhor saída para ser diferente e construir marca de forma sólida, memorável e consistente. O Burger King tentou, o McDonald’s fincou os pés no chão e o Giraffas pegou carona. Os próximos capítulos dessa história, nós acompanhamos até dia 21 de setembro.

 

Créditos de imagem: Divulgação/Burger King
Fonte: Marcos Hiller – Portal Endeavor

 

25 ago 2015

COMO A POLÊMICA DO UBER PODE AJUDAR VOCÊ

No Comments Boas Práticas, Competitividade, Empreendedorismo, Gestão, Inovação, Modelo de Negócio, Proposta de Valor

Inovação precisa fazer parte do cotidiano da administração da empresa e não apenas dos momentos de crise.

lounge-empreendedor-polemica-do-uber

Engana-se quem entende que a inovação deve ser feita somente com o produto final. A inovação pode e deve permear todos os processos de sua empresa e não apenas no que seu consumidor irá perceber diretamente. O tão comentado serviço de contratação de motoristas particulares tem nos dados algumas "aulas" sobre isso e por isso, inspirou o título do artigo de hoje.

Não vamos entrar aqui na legalidade do Uber e toda a sua controvérsia, mas sim analisar como ele e outros serviços estão desencadeando no mercado, que é a eliminação do atravessador ou intermediário através de uso massivo da internet.

Eliminar o atravessador sempre foi uma intenção dos negócios desde o início da internet, mas a interação ainda era limitada e o volume de pessoas e empresas realmente conectadas não criava uma massa crítica como a que temos hoje com os celulares. 

Estamos todos conectados e online.

Os sites de vendas de produtos, novos ou usados, já existiam há 15 anos atrás, mas agora, uma dúvida ou solicitação de um novo pedido é imediatamente recebida ao som de um 'blim' emitido pelo seu celular. Antes, a pessoa precisava estar na frente de um computador, o que tornava o processo mais moroso.

Para chamar um táxi, você tinha que ter um telefone do ponto e torcer para ter alguém disponível. Agora se gasta menos de 30 segundos para fazer o pedido, além de ser possível ver o táxi chegando até a sua residência e, para pagar, você não tem nem que tirar a carteira do bolso.

Não estou falando que a sua empresa precisa criar estes serviços, mas sim utilizá-los.

Seja no processo de vendas ou no processo de compras, onde estes exemplos podem ser utilizados em sua empresa? Que tipo de agilidade pode diminuir seus estoques sem comprometer a sua produção? Como obter matéria-prima mais barata?

Esta inovação não se limita aos processos físicos. A melhora da tecnologia também está facilitando a contratação de especialistas de forma remota, esteja ele onde estiver, pois não é mais necessário ir até a sua empresa para fazer seu trabalho.

A todo o momento, novos processos de negócio estão sendo criados e você deve estar antenado em como estes negócios podem influenciar a sua empresa, seja facilitando seus processos, seja ao criar produtos substitutos que podem se tornar seus concorrentes.
 

Fernando Angelieri é formado em Processamento de Dados pela FASP, com MBA em Gestão Estratégica de TI pela FIAP e em Administração pela FVG.

 

20 ago 2015

NÃO LAMENTE O DESEMPREGO

No Comments Administração e Gestão, Comportamento Empreendedor, Desenvolvimento Sustentável, Empreendedorismo, Empreendedorismo Social, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Proposta de Valor

Muhammad Yunus é um empreendedor social, quem sabe um dos pioneiros. Conheça mais sobre essa figura inspiradora e o que ele pode te ensinar

lounge-empreendedor-muhammad-yunus

A recente passagem do prêmio Nobel da paz pelo Brasil, o bengalês de 76 anos, Muhammad Yunus, levou ainda mais visibilidade para o campo dos negócios sociais e do empreendedorismo social. Yunus é um empreendedor social nato, e o prêmio Nobel que recebeu foi resultado de sua experiência pioneira de fornecer microcredito para pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social.

Para quem não está familiarizado com o termo, negócio social é uma empresa cuja atividade, além de gerar lucro, também funciona como uma solução para algum problema social. Como se o core do negócio fosse a responsabilidade social. Pode-se dizer que Muhammad Yunus foi um dos grandes responsáveis por apresentar ao mundo e propagar o conceito. E, ainda hoje, ele ministra palestras de incentivo para disseminar o conceito, iniciativas de sucesso e inspirar jovens a empreender.

O empreendedor é conhecido internacionalmente, tendo sido considerado pelo jornal “Financial Times” como um dos seis maiores pioneiros de finanças de todos os tempos.

Negócios sociais de Muhammad Yunus

O flerte (e futuro casamento, pode-se dizer) do empreendedor social com os negócios sociais começou nos anos 70, quando Yunus, economista de formação, trabalhava como professor universitário em Bangladesh. A universidade onde ministrava suas aulas era vizinha a uma grande favela, e o economista conta que sempre sentiu um enorme abismo entre a teoria que ensinava aos seus alunos em sala de aula e a realidade para além dos muros da universidade.

A solução que encontrou para ajudar as pessoas da comunidade vizinha à universidade passa pelo empreendedorismo: por meio de empréstimos de pequenas quantias (e os R$ 15 mil de microcrédito que o BNDES disponibiliza à empreendedores como você são uma fortuna perto do que ele emprestou) como 15 dólares, por exemplo, ele começou a ajudar mulheres a encontrar formas de obter sustento e escapar das garras de um perverso e exploratório sistema de agiotagem. Livres das dívidas e ameaças, essas mulheres passaram a desenvolver atividades como costura e artesanato para sustento próprio. Hoje, o Grameen Bank é um negócio social reconhecido, que já ajudou centenas de pessoas a saírem da miséria.

O conceito de negócio social é bastante amplo. A ideia propagada por Muhammad Yunus para definir negócio social tem algumas diferenças de outras iniciativas praticadas. A maior delas é que o empreendedor defende que um negópcio social, apesar de ser uma empresa lucrativa, não deve distribuir dividendos para os acionistas, e que todo o lucro deve ser reinvestido na própria empresa, para aumentar o alcance da iniciativa. Para o empreededor, essa medida -de não distribuir lucro – é importante para que o propósito do negócio não seja comprometido por outros interesses.

Yunus desenvolveu 7 princípios básicos para caracterizar negócios sociais:

  1. O objetivo do negócio será redução da pobreza ou mais problemas (como educação, saúde, acesso a tecnologia e meio ambiente) que ameaçam as pessoas e a socidedade; não a maximização dos lucros.
  2. Financeira e economicamente sustentável
  3. Investidores recebem de volta somente o valor investido. Nenhum dividendo é pago além do dinheiro investido.
  4. Depois que o investimento for devolvido, o lucro da empresa fica na empresa para ampliação e melhorias.
  5. Ambientalmente consciente.
  6. Colaboradores recebem valor de mercado com melhores condições de trabalho.
  7. … fazer tudo isso com alegria.

Grameen Danone: uma joint venture para salvar crianças dos efeitos da pobreza

A Grameen Danone, um case até bastante conhecido no mercado, uma joint venture desenvolvida entre a Danone e o Grameen Bank que funciona da maneira proposta por Yunus. A empresa foi criada com o propósito de alimentar crianças em situaçnao de pobreza, fornecendo um iogurte enriquecido com vitaminas para garantir o pleno desenvolvimento cerebral da criança.

Apesar de haver iniciativas de sucesso como essa, um do grandes desafios desse tipo de modelo de negócio ainda é conseguir captar investimento. Nesse sentido, outras empresas, também chamadas de negócios sociais, estão ganhando a cena, sendo empresas que, sim, resolvem problemas sociais, mas que também geram lucro com a possibilidade de distribuir dividendos para acionistas.

Uma grande inspiração para o empreendedor

Independente de qual modelo de negócio social você acredita ser o mais interessante, fato é que Muhammad Yunus em sua trajetória empreendedora tem quebrado muitos paradigmas e inspirado centenas de pessoas ao redor do mundo a buscarem soluções criativas para problemas sociais e as colocarem em prática por meio da criação de empresas. Sim, esse empreendedor tem muito a ensinar e também a inspirar você também.

“‘NÃO CHORE POR ESTAR DESEMPREGADO, CRIE SEU EMPREGO”

Essa é a grande mensagem que Yunus deixou para a juventude brasileira em sua última passagem pelo Brasil. Durante palestra para empreendedores e acadêmicos, o empreendedor conclamou todos a saírem de suas zonas de conforto para buscar soluções criativas contra a miséria e também para criar postos de trabalho numa economia em crise.

“Temos que incentivar os jovens na universidade a serem criativos. É esse o caminho para surgimento de empreendedores sociais,” diz. Yunus enfatiza ser importante ter em mente não apenas a possibilidade de procurar trabalho, mas a de criar oportunidades de trabalho. “Não chore por estar desempregado. Crie seu próprio mundo. Assim chegaremos a zero de desemprego”.

Muhammad Yunus no Brasil

Yunus, há cerca de 2 anos, fundou no Brail a Yunus Negócios Sociais Brasil. Trata-se de um negócio social cujo objetivo é fomentar o empreendedorismo social no país, incubando e acelerando negócios que resolvam problemas sociais daqui. A empresa, além da incubadora e da aceleradora, também conta com um fundo de investimento para investir, justamente, em negócios dessa natureza.

A empresa de Muhammad Yunus também está com uma atuação forte em parceria com diversas universidades brasileira soara difundir o conceito e incentivar jovens a empreenderem suas dietas para solucionar problemas sociais.

Fonte: Portal Endeavor – Leia mais em https://endeavor.org.br/muhammad-yunus/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...