Archive for Liderança

15 ago 2015

OUSADIA PARA O BEM-ESTAR

No Comments Ambiente de Trabalho, Clima Organizacional, Empreendedorismo, Gestão de Pessoas, Liderança, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo

O que você pode aprender com o Grupo Virgin para atingir resultados através das pessoas? Não espere a segunda feira para descobrir… 

 lounge-empreendedor-ousadia-para-o-bem-estar

Uma pergunta que os novos empresários muitas vezes me fazem é: "Como devo tratar a minha equipe?". Eles querem que seus funcionários sejam felizes e produtivos, mas não sabem como alcançar esse equilíbrio. Quanta responsabilidade eles realmente têm em relação à saúde física e mental dos trabalhadores? Que tipo de regalias precisam oferecer a fim de atrair e reter as melhores pessoas?

Nos últimos anos, algumas empresas têm procurado abordagens inovadoras para responder a estas questões, aproveitando os avanços da tecnologia e as mudanças na nossa sociedade. Muitos jovens, por exemplo, gostam de ter flexibilidade em relação ao local onde trabalham, portanto, algumas empresas oferecem aos funcionários a possibilidade de trabalhar a partir de casa. Outras empresas, como a Zappos, jogaram fora toda a sua estrutura organizacional, juntamente com os títulos dos cargos!

Na Virgin, tomamos dois grandes passos ao longo dos últimos dois anos: agora oferecemos aos funcionários da nossa sede folgas ilimitadas e horários de trabalho flexíveis. Nossas equipes têm respondido com entusiasmo. Se o experimento continuar funcionando bem, tenho certeza de que muitas outras empresas dentro e fora do Grupo Virgin seguirão o exemplo. Essas políticas também ressaltam algo que nós da Virgin viemos discutindo há algum tempo: a importância do bem-estar dos funcionários. Nossos debates apaixonados e variados sobre as responsabilidades dos empregadores nesta área nos levaram a focar o nosso próximo fórum "Virgin Disruptors" em torno da questão: "Bem-estar no local de trabalho: a que preço?".

O valor de se acompanhar o bem-estar, mesmo para além dos negócios, foi bem resumido por um palestrante que estará em nosso debate no final deste mês. Jim Clifton, CEO da Gallup, assinalou recentemente em nosso blog "Disruptors" que um dos poucos sinais de que a Primavera Árabe estava para acontecer a alguns anos poderia ser encontrado nos dados sobre o bem-estar na Tunísia e no Egito. Enquanto o Produto Interno Bruto em ambos os países parecia saudável entre 2008 e 2010, o descontentamento estava borbulhando sob a superfície.

"Quase todo mundo no mundo achava que esses países estavam bem", escreveu Clifton. "Mas ninguém viu que o bem-estar estava mergulhando em ambas as sociedades. Dentro de duas décadas, as medições do bem-estar de nações, cidades e organizações tornar-se-ão tão ou mais importantes do que as medições econômicas tradicionais, como o PIB ou preços de ações – simplesmente porque são melhores sistemas de previsão".

Então quais passos empresários e gestores devem tomar para melhorar o bem-estar dos funcionários em suas empresas? Cada empresa e sua equipe é um pouco diferente, então não quero sugerir uma solução genérica. A base das melhores iniciativas é tratar as pessoas com respeito e dar-lhes maior responsabilidade.

Minha dica principal: seja ousado. Não tenha medo de tentar coisas novas; apenas deixe que sua equipe saiba o que está fazendo. Em seguida, obtenha um feedback do pessoal. Se a medida não estiver funcionando, tudo bem revertê-la ou fazer alterações – você está à procura de soluções que funcionam para todos na empresa. Embora seja verdade que não é possível agradar a todos o tempo todo, dar às pessoas escolhas, em vez de um conjunto rígido de regras, irá garantir um sentimento de poder entre os funcionários.

E lembre-se de respeitar a individualidade de seus funcionários: seus compromissos familiares, atividades extracurriculares, diferentes requisitos de saúde e outros aspectos de suas vidas pessoais não devem ser vistos como bagagem. Afinal, empresas bem-sucedidas têm equipes diversas.

Eu tenho que dizer que tem sido interessante ver como um dos nossos mais novos negócios, a Virgin Hotels, moldou seu programa de bem-estar. Como a empresa tem sede em Chicago, uma cidade que é muito diversificada culturalmente, ela teve que cobrir uma diversidade de fatores. Aqui vão apenas alguns dos passos que a equipe tomou para assegurar que todos os funcionários do hotel estivessem felizes no trabalho: oferta de opções de alimentos saudáveis para o pessoal; aulas de ioga no hotel; a criação de um time de softbol; patrocínio de aulas de inglês para aqueles que não têm o idioma como primeira língua e um compromisso sério com o bem-estar mental dos funcionários.

Acima de tudo, tenha em mente que um negócio é um conjunto de pessoas. Se o seu pessoal não estiver feliz e saudável, então o prognóstico de sua empresa tampouco será bom. Mas, se você se certificar de que eles têm o tempo e o apoio que necessitam, estará estabelecendo uma avenida para o sucesso deles e da empresa a longo prazo.

Por Richard Branson

Fonte: UOL Economia

11 ago 2015

PALAVRAS MÁGICAS DO RELACIONAMENTO

No Comments Coaching, Comportamento, Inteligência Emocional, Liderança, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Relacionamento Interpessoal, Relações Humanas

Existem algumas palavras mágicas que, quando as empregamos, exercem efeito especial sobre as pessoas. Descubra aqui quais são elas… 

lounge-empreendedor-palavras-mágicas-do-relacionamento

Todos sabemos que as palavras corretas são muito importantes para o nosso relacionamento, entretanto, parece que muitas pessoas sofrem de amnésia crônica e precisam ser lembradas diariamente disso. Utilizá-las é uma atitude que temos de adotar todos os dias até integrá-las automaticamente ao nosso comportamento. Quando as usamos demonstramos, não apenas, sentimento de consideração pelos outros mas, sobretudo, de boa educação e humildade.

As pessoas querem ser reconhecidas e tratadas com apreço e respeito. As palavras mágicas auxiliam muito no diálogo com as pessoas de nosso relacionamento, e também com todas as outras com quem nos deparamos durante o dia – quando temos que falar com elas -, seja motorista de ônibus, atendente de lanchonete, gari, telefonista ou qualquer outra pessoa.

Ao dizer “com licença”, estamos solicitando permissão para interromper alguém, fazermos ou falarmos algo e, junto com isso, uma mensagem subliminar de que respeitamos a pessoa e gostaríamos de dizer ou perguntar algo. No entanto, o tom de voz é que dirá se estamos pedindo “com licença” de forma humilde e respeitosa, ou se estamos fazendo de maneira arrogante e mal-educada. Cabe a nós nos policiarmos quanto ao modo correto de fazê-lo se quisermos evitar complicações desnecessárias.

Quando falamos “por favor” emitimos a mensagem de que precisamos ajuda ou atenção de alguém, ou como um simples gesto de polidez.

“Desculpe” é uma palavra que demonstra não somente educação, mas também maturidade de quem a pronuncia, porque nem sempre as pessoas gostam de admitir que erraram ou que fizeram algo inadequado.

“Muito obrigado”, pronunciado de forma aberta e sincera, é o melhor gesto de reconhecimento que podemos expressar quando somos auxiliados ou beneficiados em algo. A propósito, você tem o hábito de agradecer às pessoas com quem você convive em casa, no trabalho, em sua comunidade? Se não o faz desafie-se a fazê-lo todos os dias, em todas as circunstâncias que a situação se apresente.

As palavras mágicas são tão essenciais no relacionamento humano quanto o ar que respiramos, pois representam demonstrações de respeito, humildade e atenção às pessoas, e são expressões universalmente reconhecidas e apreciadas por todas as pessoas e povos em qualquer lugar do mundo.

A mais especial das palavras

É bom lembrar que as pessoas têm nome. Então, não deixe de fazer uso do nome delas sempre que conversar com alguém pessoalmente, por telefone ou e-mail. Dale Carnegie, autor de vários best-sellers sobre relações humanas, disse certa vez que o som mais suave e agradável que existe para alguém é o seu próprio nome. Lembrar-se do nome de uma pessoa que você pouco conhece, ou não vê há muito tempo, é algo que encanta qualquer um. Ao dizer o nome dela você está demonstrando estima por esse alguém, e quanto o tem em consideração, pois está registrado em sua memória.

As palavras certas podem provocar milagres

Um cego estava a pedir esmolas na rua e, ao seu lado, uma placa de papelão onde se lia: “Sou cego, por favor me ajude”. As pessoas passavam e, de quando em vez, uma ou outra moeda era lançada na latinha. Um pedestre caminhava apressadamente para o trabalho e, quando já havia passado pelo pedinte, parou subitamente, olhou em sua direção, e voltou. Pegou a placa de papelão e, do outro lado, escreveu algo. Enquanto fazia isso falou simpaticamente com o cego e depositou uma moeda no recipiente. Em seguida colocou o papelão ao lado do cego e foi embora sem dizer mais nada. Não demorou muito e o pedinte começou a ouvir o tilintar das moedas caindo sem parar na sua latinha, até entupi-la. E assim aconteceu por várias vezes. Horas depois o mesmo pedestre, voltando do trabalho, perguntou ao cego se tudo estava bem com ele. Reconhecendo a voz, o pedinte perguntou ao homem o que ele havia escrito no papelão. Este respondeu: “Escrevi a mesma coisa, só que com palavras diferentes. Pus na placa ‘Hoje está um lindo dia, mas não posso vê-lo porque sou cego’.

Texto extraído e condensado do livro O Livro das Relações Humanas – Seu Manual para Obter Sucesso com as Pessoas, de Ernesto Berg, Juruá Editora.
  www.quebrandobarreiras.com.br 

Ernesto Berg
Consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 14 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos. 

08 ago 2015

MITOS SOBRE A LIDERANÇA

No Comments Carreira, Coaching, Gestão de Pessoas, Liderança, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo

Assim como há uma infinidade de livros sobre liderança, muitos mitos sobre essa habilidade também se espalham por aí. Conheça alguns agora.

lounge-empreendedor-mitos-sobre-a-liderança

A EXAME.com reuniu oito afirmações sobre liderança difundidas por aí que são, na verdade, mentiras. Como muitas pessoas entram em contato comigo querendo segredos sobre o assunto, resolvi compartilhá-las com vocês. Confiram: 

1. Líder nasce líder

"Fulano é um líder nato". Talvez esta seja uma das frases mais ouvidas quando se trata de liderança. Mas, acredite, não passa de um mito. Segundo o especialista em gestão de pessoas e professor do Insper José Valério Macucci, ninguém nasce predisposto a influenciar pessoas e algumas características básicas da liderança podem ser aprimoradas ou até mesmo aprendidas com o tempo. 

"A organização e a disciplina, por exemplo, são pontos que podem ser trabalhados". Por outro lado, o respeito às pessoas é um valor que é adquirido na primeira infância – ou seja nos primeiros anos de vida de uma criança. "Mas não é uma questão de genética. É um valor repassado pelos pais", afirma o professor. Fernando Jucá, sócio da consultoria Atingire, concorda: "todos podem ser líderes, mas alguns não querem, porque não é fácil". 

2. O líder sempre ocupa cargos no alto escalão de uma empresa

Ao contrário do que se pensa, a liderança não é exercida "de cima para baixo" dentro de uma organização. Ela acontece em todos os níveis, porque é um processo de influência. Segundo Jucá, qualquer pessoa se torna um líder quando impulsiona a performance dos demais, ajuda a construir o futuro da organização e promove o engajamento e o desenvolvimento de uma equipe.

"A liderança não pode ser instituída com um cargo porque ela não é imposta. O liderado precisa aceitar", diz Renato Ferreira, coordenador dos cursos de especialização da FGV-EASP, a escola de administração da Fundação Getúlio Vargas. Por esse mesmo motivo, segundo ele, nem todos os que ocupam cargos altos em uma determinada empresa são de fato líderes. "Aquele chefe que é respeitado por obediência, e não por influência, na verdade não é um líder".

3. O líder é uma pessoa extrovertida

Muita gente confunde exercício de liderança com carisma pessoal. "Muitas vezes as pessoas tímidas e intorvertidas são muito mais atentas aos detalhes e muito mais dedicadas. O que interessa, na verdade, é a profundidade técnica. É isso que diferencia um líder de um animador de auditório", defende Macucci. Porém, isso não significa que os mais falantes não possam ser bons líderes, tudo depende do conteúdo, segundo ele. 

4. O líder tem que saber "falar bem"

Mais do que saber falar, alguém só é mesmo líder quando sabe ouvir, segundo o professor Renato Ferreira. "A liderança é um processo de conexão que vai além da relação formal estabalecida por modelos hierárquicos. Por isso, o líder precisa conhecer as necessidades das pessoas com quem ele interage". 

5. O bom líder elogia em público e corrige em particular

De acordo com o professor Macucci, o feedback possitivo em público pode, às vezes, cruzar a fronteira da "bajulação". Da mesma forma, ele diz que, em determinadas situações, o erro de uma pessoa deve ser exposto ao grupo para gerar aprendizado. "Mas isso precisa ser feito sem procurar culpados, para não gerar conflito". 

6. O líder é aquele que tem servidores

A imagem do líder que tem vários subordinados e tem o poder de delegar muitas tarefas pode estar no imaginário de muita gente. Porém, "a relação é justamente inversa, líder é aquele que serve as outras pessoas", afirma Fernando Jucá, sócio da consultoria Atingire.

7. O líder deve ser amigo dos colaboradores

Não basta proteger e ser amigo. Um líder precisa influenciar e contribuir para o crescimento de quem ele comanda. "Aqueles que nos fazem ser melhores do que achávamos que podíamos ser é que marcam a nossa vida", diz Jucá. 

8. Existe uma receita para a liderança efetiva

Estudar inúmeros livros com dicas sobre como se tornar um líder efetivo, não fará o menor sentido caso a pessoa em questão não conheça bem o time que ela pretende liderar. Segundo Ferreira, "para poder exercer influência sobre alguém, é preciso entender as suas características". Segundo ele, a liderança varia de acordo com as pessoas e as situações. 

07 ago 2015

DICA DE LEITURA: LIDERANÇA ESTRATÉGICA

No Comments Administração e Gestão, Ambiente de Trabalho, Características Pessoais, Carreira, Gestão de Pessoas, Liderança, Marketing Pessoal, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Relações Humanas

Na pressa para alcançar o sucesso, como podemos ajudar a nossa mente a se renovar para melhor influenciar as pessoas?

lounge-empreendedor-lideranca-estrategica

Umas das coisas que sempre me preocupou foi o conceito de liderança. Dou aulas sobre o assunto, coordeno equipes e ainda assim me pergunto se as minhas próprias atitudes como líder são as corretas.

Com o tempo percebi que os conceitos variam de acordo com a situação e que duas competências sempre me marcaram muito: "legado e estratégia". Tenho certeza que você já leu textos sobre isso aqui mesmo no Lounge Empreendedor.

Acredito firmemente que se líderes pensassem no "legado" que iriam deixar, tomariam decisões mais sensatas. Temos visto situações tanto na economia, quanto na política em que se os líderes que tivessem pensado no "legado" talvez não tivessem cometido ou tomado decisões que tomaram.

Somado a isso, a visão estratégica é fundamental.  Às vezes, os métodos e modelos usados para explicá-la são mais complicados do que o conceito e do que a própria prática da liderança estratégica. Nem sempre podemos defini-la ou descrevê-la em todas as minúcias, mas a reconhecemos quando age.

lounge-empreendedor-lideranca-estrategicaEsse tipo de liderança envolve percepções microscópicas e expectativas macroscópicas que são muito bem abordadas no livro “Liderança Estratégia – O princípio da Pausa” lançado pela Editora M. Books.

Por mais paradoxal que possa parecer, mesmo com todas as atividades e incertezas que a rotina da gestão possa nos impor, o autor Kevin Cashman afirma que o sucesso virá para aqueles que souberem realizar pausas profundas e reflexivas para entender o que estão enfrentando dentro e fora de si mesmos.

Acredito realmente que a essência da liderança passa por uma profunda consciência de nós mesmo e de novas perspectivas que nos coloquem um passo a frente nesse mercado dinâmico e global. Talvez, por isso, tenha gostado tanto do livro.

Sem contar que o autor nos oferece vários recursos práticos para fazer mudanças no gerenciamento, fortalecer a liderança, desenvolver outras pessoas e promover a cultura da inovação seguindo sete práticas (bem pragmáticas) da pausa:

  1. Persistir no propósito
  2. Perguntar e ouvir
  3. Arriscar a experimentação
  4. Refletir e sintetizar
  5. Considerar dinâmicas de dentro para fora e de fora para dentro
  6. Estimular a generatividade (energia e entusiasmo para ajudar os outros)
  7. Ser autêntico.

Então vamos lá: respire fundo, estabeleça momentos para parar, recuar, buscar novas informações, reavaliar tudo o que está a sua volta e, então, agir sem medo. Que tal começar agora?

SOBRE O AUTOR:

KEVIN CASHMAN é sócio, CEO e executivo de desenvolvimento da Korn/Ferry International. É também o fundador do Chief Executive Institute, integrante sênior da Caux Roundtable, membro do conselho de administração do Center for Ethical Business Cultures, e autor do Best-seller Liderança Autêntica – de dentro de si para fora, publicado pela M.Books. Foi classificado entre os Top Ten Thought Leader pela revista Leadership Excellence. 

28 mar 2015

QUAL É TUA OBRA?

No Comments Coaching, Gestão de Pessoas, Liderança, Protagonismo, Relações Humanas

Um dia o seu legado será também a sua história. Assim, até que esse dia chegue, você tem feito tudo o que está ao seu alcance para deixar atrás de você um bonita história?

 

lounge-empreendedor-qual-eh-tua-obra

As transformações recentes no conjunto da vida social que envolve o trabalho, a família, a relação entre as gerações e até mesmo a escola parece ter despertado uma nova busca pela realização e pela construção de um significado maior de vida. Legado passou a ser a palavra da vez!

Legados são parte de um processo continuo que nos procede, nos envolve, sobreviverá a nós e, por fim, dará lugar a outros legados. Um grande erro que cometemos é deixar para pensar em nosso legado somente no fim de nossa permanência em uma empresa ou quando estamos prestes a nos aposentar. Não há porque esperarmos por uma doença grave, assumir o negócio de família ou qualquer outro momento inusitado para refletirmos sobre quem queremos ser quando crescer.

No contexto familiar, uma boa pergunta a se fazer é: que legado deixarei para meus filhos e netos? Claro que, nesse sentido, não esperamos uma resposta relacionada à herança de bens e posses, mas às heranças morais, como caráter, ética, honra e honestidade. Algo que, no futuro, venha representar para nossos descendentes um referencial positivo de atitude, um modelo comportamental a ser admirado e seguido.

E se você se preocupa com essa questão, acho válido fazer o mesmo auto-questionamento no contexto organizacional. Que tipo de ações e atitudes fazem a diferença na vida das pessoas com quem você se relaciona? De que forma você pode se tornar uma pessoa inesquecível, muito mais do que lugares, produtos e coisas?

O verdadeiro legado se faz não pelos títulos, cargos e posições que acumulou e exerceu, mas pela pessoa que você foi ao longo do tempo, pelas ações e relações de cada dia, pela generosidade e justiça no seu próprio exercício de viver.

Um bom método para você construir a sua declaração de legado é continuar a frase: “gostaria de ser lembrado como alguém que…”

Você não precisa espalhar publicamente suas aspirações. Não precisa publica-las no jornal da empresa e ninguém está pedindo que você se abra de uma maneira que o torne desagradável publicamente. Contudo, se elas forem verdadeiras, os outros a reconhecerão.

E cuidado: construir um legado é algo trabalhoso, leva tempo, porém, às vezes basta um único deslize para que ele desmorone completamente. Existe um pensamento ultrapassado que, infelizmente, ainda é muito presente em nosso mercado que nos faz acreditar que tem mais valor aquele que consegue resultados a qualquer preço.

Acredito, porém, que mais que dos resultados, as empresas necessitam das pessoas. E são sobre elas que deixaremos nossas melhores marcas, pois quando você não tiver mais forças para seguir sua missão, alguém poderá continuar sua jornada. Somente ajudando os outros a semear seus próprios legados é que nossa influencia positiva pode atingir todo seu potencial.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...