Archive for Economia Digital

18 set 2015

DICA DE LEITURA: A SOCIEDADE DO CUSTO MARGINAL ZERO

No Comments Administração e Gestão, Consumo, Economia, Economia Criativa, Economia Digital, Empreendedorismo, Liderança, Mercado, Novos Mercados, Sustentabilidade

Consegue imaginar um mundo em que as relações sociais prevaleçam sobre as relações financeiras? 

lounge-empreendedor-sociedade-com-custo-marginal-zero

As regras do jogo da economia estão mudando. E não estou falando das medidas de contenção e arrecadação do nosso governo, mas sim de transformações sociais que apontam megatendências que modificarão nosso jeito de viver e consumir.

A previsão provocativa é do americano Jeremy Rifkin, que acaba de publicar seu novo livro "The Zero Marginal Cost Society" ("A Sociedade do Custo Marginal Zero", em tradução livre).

lounge-empreendedor-sociedade-com-custo-marginal-zeroO título pode parecer grego para não economistas, mas o princípio é muito simples: à medida que penetramos na sociedade do conhecimento e na economia criativa, o eixo de análise econômica se desloca. O surgimento da Internet das Coisas – das Comunicações, da Energia e dos Transportes – está convergindo para a criação de uma rede global com estrutura inteligente e indissolúvel e tem acelerado a produtividade e reduzido o custo marginal de produzir e distribuir unidades adicionais de bens e serviços – descontados os custos fixos – a praticamente zero, tornando-os essencialmente gratuitos.

Como resultado, o lucro corporativo começa a secar, os direitos de propriedade perdem força e a noção convencional de escassez econômica dá lugar à possibilidade de abundância à medida que setores inteiros da economia ingressam na web com custo marginal zero.  Algo que André Gorz chama de economia imaterial em que o principal fator de produção, o conhecimento, uma vez produzido, pode ser difundido de forma ilimitada e gratuita por todo o planeta, com custo zero.

Isso inverte completamente o sentido do capitalismo: levar cada aspecto da vida humana para a área econômica, transformando em uma mercadoria que será negociada como um bem. Ao longo do tempo, quase nenhuma necessidade humana escapou dessa transformação. A comida que comemos, a água que bebemos, os artefatos que produzimos e usamos, as relações sociais em que nos envolvemos, as ideias que trazemos à luz, o tempo que gastamos… Tudo reorganizado, precificado e levado ao mercado de forma individualizada.

Para Rifkin, caminhamos para a criação de uma economia mundial híbrida onde um sistema colaborativo estará convivendo com um capitalismo cada vez menos importante. Mercados estão começando a dar lugar a redes, a posse está se tornando menos importante do que o acesso, a busca do interesse próprio está sendo moderada pela pressão de interesses colaborativos e o tradicional sonho de enriquecimento financeiro está sendo suplantado pelo sonho de uma qualidade de vida sustentável que impulsiona novos negócios e oportunidades de empreender.

o desafio atual é garantir a segurança dos dados e a proteção do sigilo pessoal em um mundo aberto, transparente e conectado globalmente.

Não se trata aqui apenas de compartilhar uma música com os amigos, ou de colocar um filme no Youtube. Rifkin nos traz centenas de exemplos na área das finanças, com inúmeras redes peer-to-peer (P2P) permitindo fluxos financeiros entre quem tem recursos parados e quem deles precisa, escapando aos juros e tarifas escorchantes dos intermediários financeiros.

Aliás, Rifkin disponibiliza o conteúdo do seu livro online. No plano mais amplo, ao difundir sua compreensão acerca dos mecanismos econômicos está contribuindo para o nível educacional da sociedade, e pontualmente também para o bem-estar de todos. Estará perdendo dinheiro? Na realidade amplia a sua visibilidade, e ganhará mais com os convites que recebe. No novo modelo de ciclo econômico baseado em conhecimento e com forma imaterial, precisamos equilibrar as tarefas remuneradas e as colaborativas, sabendo que à medida em que o conhecimento se torna o fator de produção mais importante do planeta, a dimensão não diretamente remunerada se amplia. São os novos equilíbrios em construção.

Por isso, a Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês), permitirá conectar todos e tudo em um novo paradigma econômico que é muito mais complexo do que a Primeira e Segunda Revoluções Industriais, mas cuja arquitetura é distribuída em vez de centralizada. “Mais importante ainda, a nova economia irá otimizar o bem-estar geral por meio de redes integradas lateralmente na esfera dos bens comuns colaborativos (Collaborative Commons), em vez de empresas integradas verticalmente no mercado capitalista”.

Na visão de Rifkin, a rápida expansão desta nova economia leva a uma possibilidade de escaparmos do poder dos gigantes da intermediação e da filosofia da guerra econômica de todos contra todos, expandindo progressivamente os espaços de colaboração direta entre os agentes econômicos ao mesmo tempo produtores e consumidores, os famosos “prosumers”. A face mais óbvia do futuro descrito por Rifkin são hoje os sites de compartilhamento de carros e casas, como o Airbnb. Nesses novos tipos de transações, o acesso é mais importante que a posse e o capital social vale mais que o capital financeiro.

Entendo que isso pareça totalmente inverossímil para a maioria das pessoas, de tão condicionados que nos tornamos à crença de que o capitalismo é tão indispensável para nosso bem-estar quanto o ar que respiramos. Embora os indicadores da grande transformação para um novo sistema econômico ainda sejam suaves e, em grande parte, anedóticos, a economia de compartilhamento está em ascensão e, torço para que em 2050, tenha se estabelecido como principal árbitro da vida econômica mundial.

Otimismo exagerado?

Talvez, mas o que tiramos de muito útil do livro não é saber se o futuro será mais ou menos cor de rosa, mas uma compreensão muito aprofundada das oportunidades que surgem para uma economia mais humana. A realidade é que há uma outra economia/sociedade em construção, e entender os mecanismos, além de instrutivo, é profundamente agradável.

SOBRE O AUTOR:

JEREMY RIFKIN é um dos pensadores sociais mais populares da atualidade, é autor de 20 best-sellers traduzidos para 35 idiomas. Rifkin é consultor para a União Europeia e para chefes de estado ao redor do mundo, além de palestrante do programa de educação executiva da Wharton School da Universidade da Pensilvânia.

 

31 ago 2015

MARKETING OFFLINE PARA STARTUPS

No Comments Abertura de Empresa, Administração e Gestão, Economia Digital, Empreendedorismo, Marketing, Mercado, Modelo de Negócio, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Startup

Planejar e executar uma estratégia de marketing impecável é uma missão crítica, inclusive para quem vive no mundo digital.

lounge-empreendedor-marketing-offline-para-startups

Ao dimensionar uma startup, normalmente os empreendedores direcionam tanto seu foco em conseguir novos clientes através de canais como marketing de busca, mídia social, exibição de publicidade, que bancar o advogado de uma estratégia de marketing offline pode parecer irrelevante ou antiquado.

Depois de alguns anos trabalhando no setor, ouso afirmar: "Não cometa o erro de muitos empreendedores e comerciantes de deixar a estratégia de offline fora de seu planejamento de marketing". Isso não apenas é mais relevante do que nunca, mas pode ser o complemento perfeito para sua estratégia online.

Leia a seguir 5 dicas elaboradas por Dena Enos que foram empregadas por algumas startups muito conhecidas e que são dignas de nota 10 e que devem ser levadas em consideração por quem está chegando agora.

1. OCUPE SEU ESPAÇO GEOGRÁFICO.

Muitas startups optam por se concentrar em cidades específicas como parte de sua estratégia de lançamento. Para fazer esse plano de publicidade funcionar, você precisa tornar sua marca e logotipo visíveis nesse espaço geográfico. Ocupar essas áreas com panfletos, cartões postais e folhetos descrevendo seus produtos e serviços ou então dando detalhes de uma oferta especial por tempo limitado é importante no esforço de aquisição de clientes.

Não se esqueça de incluir seu logotipo, informação de contato e endereço do negócio em uma posição que seja fácil de ser localizada em todos os materiais de marketing. Quando você saturar seu espaço geográfico com sua mensagem, provavelmente será mais notado, discutido e comentado!

2. TRANFORME SEUS CLIENTES EM ADVOGADOS DA MARCA.

Você já tem clientes satisfeitos? Maravilhoso! Transforme-os em parte não oficial de sua equipe. A cada transação, inclua adesivos personalizados com seu logotipo, endereço do site e slogan em lugar de destaque. Os clientes podem colocá-los em seus laptops, carros, cadernos, bicicletas etc. As etiquetas são extremamente versáteis também, uma vez que podem ser usadas nas embalagens e para endereçamento. Você também pode utilizá-las para fechar uma caixa contendo uma compra. Marcas amadas como Apple, Toms e Skechers têm empregado essa estratégia por anos e incluem uma grande etiqueta com seu logo em todo o produto que vendem. A cada vez que seu logotipo é visto, novos e potenciais clientes estão sendo engajados.

3. GANHE NA PRIMEIRA VEZ.

Associe-se com outros negócios. Use o formato do cartão de visita para criar uma estratégia de atração (ainda mais fácil que um cartaz na recepção) capaz de trazer novos clientes. Usuários de seus serviços, nos escritórios deles, podem incluir o logo de sua empresa, o endereço do site e uma breve explicação dos serviços nas costas de seus cartões de visita. Você pode reforçar sua marca e incluir uma oferta para novos clientes. É uma ótima maneira de introduzir um publico cativo para novos produtos e serviços altamente relevantes.

Dica bônus: se você incluir um código de cupom para resgatar a oferta, poderá facilmente saber quais locais deram mais resultado nessa estratégia de marketing offline.

4. TORNE SUA MARCA (E VALORES) VISÍVEIS.

Eu me lembro de um dia comum de trabalho em dezembro quando recebi uma pequena caixa de presente de uma startup local. Eu era uma cliente satisfeita há seis meses e fiquei emocionada ao ganhar um pequeno caderno de anotações com o logotipo da startup e uma caneta combinando. Desde então tenho usado esses acessórios em minha mesa. Eles servem como lembretes de que eu sou uma cliente valiosa e mantenho a marca dessa startup em minha mente.

Faça seu pequeno gesto de gratidão com seus principais clientes. Relembre-os de que você não estaria crescendo sem o apoio deles com uma camiseta, um caderno de anotações, uma caneta ou um boné bordado. Seu consumidor feliz ficará ainda mais satisfeito ao receber o presente e se sentir uma parte inicial do seu sucesso. Amplie o impacto ainda mais coordenando os esforços com uma campanha por e-mail.

5. IDENTIFIQUE ONDE SEU PRODUTO CAUSOU IMPACTO.

Adesivos de janela se tornaram ainda mais comuns graças a empresas como TripAdvisor, Yelp, Visa e Mastercard, por exemplo. Você não se sente melhor quando entra em um restaurante sabendo que ele foi bem avaliado em Trip Advisor? Eu certamente sim. E essa mesma lógica pode ser aplicada em outras categorias, especialmente na área do B2B. Eu já vi adesivos de janelas para pequenos negócios de automatização e não importa se eles orgulhosamente aceitam ou não American Express.

Pense na sua base atual de clientes. Se você oferecer um desconto, eles, de bom grado, poderão promover seus produtos e serviços com outros potenciais clientes. Existem muitas outras maneiras de marketing offline que podem ajudar a impulsionar sua startup.

Qual a melhor parte dessas estratégias em potencial? Sinceramente, não sei! Mas, você pode testar e aprender rapidamente a partir de todas elas.

feliz escalada! 

 

Dena Enos é Vice-presidente de Marketing da LogoMix, uma plataforma self service para pequenas empresas que oferece serviços de marketing e desenvolvimento da marca que permite a criação de cartão de visita profissional em minutos. Conta com mais de dez anos de experiência como líder sênior desde startups até em empresas de capital aberto.   

13 ago 2015

LIÇÕES DE STEVE JOBS PARA O EMPREENDEDORISMO

No Comments Carreira, Comportamento, Comportamento Empreendedor, Economia Digital, Empreendedorismo, Inovação, Mercado, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo

Além de produtos visionários, Steve Jobs deixou um legado de liderança e inspiração que todo empreendedor deveria conhecer. 

lounge-empreendedor-steve-jobs

Em 2011, o jornalista Walter Isaacson publicou Steve Jobs – A biografia, que seria um best-seller sem precedentes. Tanto mais porque o livro saiu pouco depois da morte do inventor visionário, do empresário apaixonado, do líder inspirador, do criador insatisfeito… enfim, acumulam-se os epítetos daquele que é o principal nome da revolução tecnológica que há tempos vivemos; o respeito e a admiração pelas façanhas de Jobs já transcenderam em muito os círculos mais próximos de sua atuação, como geeks, designers, fãs de informática, empresários e gestores em geral. Hoje, o co-fundador da Apple ocupa os pensamentos das mais diversas pessoas como alguém cujo poder de inspiração e realização era inigualável; suas fotos preenchem paredes tanto de casas como de quaisquer estabelecimentos comerciais em um verdadeiro culto, com o qual a biografia escrita por Isaacson contribuiu um bocado.

lounge-empreendedor-steve-jobsA obra foi lançada no Brasil pela Companhia das Letras, parceira Endeavor. E a leitura é obrigatória para que você, empreendedor, entenda não apenas a dimensão da importância de Steve Jobs para o atual contexto econômico e social atual, mas também para que possa se inspirar por este que foi um dos maiores líderes de que se tem notícia.

E para abrir seu apetite, elaboramos aqui uma pequena síntese do texto de Isaacson, com algumas daquelas que o autor chamou de “As verdadeiras lições de liderança”. São, como você perceberá, nada menos do que isso – lições de gestão, de desenvolvimento de produtos e de inspiração de equipes, cuja aplicação a imensa lista de façanhas de Steve Jobs comprovou ser absurdamente eficaz. São, afinal, lições deixadas por ninguém menos do que o criador do Macintosh, do iMac, do iPod, do iPhone, do iPad e de tantos outros produtos que revolucionaram sete indústrias, da computação pessoal à música.

Ensinamentos que, ainda que você não concorde com os duros métodos de gestão aplicados por Steve Jobs, deve conhecer. Ao menos se também acredita que “se quiser, pode voar. Só precisa confiar muito em si mesmo”.

Vamos a eles:

Mantenha o foco

Após retornar à Apple em 1997, Steve Jobs encontrou-a à beira da falência. Produzindo uma coleção inconsistente de computadores e aparelhos periféricos, a empresa perdeu o foco, e perdia rapidamente a relevância.

Então, após semanas de reuniões desgastantes, Jobs emitiu um sonoro “basta!”, pegou um pincel atômico, caminhou descalço até um quadro branco e lá desenhou uma tabela com quatro quadrados. Dentro de cada um, escreveu “consumidor”, “pro”, “desktop” e “portátil”. Afirmou que era apenas daquilo que precisavam, e as equipes deveriam se dedicar àqueles quatro grandes produtos.

Claro que a ideia foi recebida com muita apreensão pelos executivos da Apple. Mas, ao focar na produção de apenas quatro computadores – e a essa tarefa, sim, dedicar toda atenção e talento disponíveis -, Jobs salvou a empresa. Este seu pensamento é resumido pela famosa frase:

DECIDIR O QUE NÃO FAZER É TÃO IMPORTANTE QUANTO DECIDIR O QUE FAZER.

Simplifique

O primeiro folheto promocional da Apple declarava que “a simplicidade é a máxima sofisticação”. E para que você entenda o que isso significa, é só comparar qualquer software da empresa de Steve Jobs com qualquer outro; tanto a interface como a usabilidade são tremendamente mais simples, mais intuitivos, mais… minimalistas, para ficarmos em um termo da moda.

Esse princípio acompanhou Jobs por toda sua vida. Desde quando resolveu desenvolver um mouse com apenas um botão, enquanto todos os outros tinham dois ou três, até a concepção de um desktop que consistia apenas no monitor, sem a “torre” dos outros modelos.

MAS STEVE JOBS SEMPRE BUSCOU A SIMPLICIDADE QUE VEM DA CONQUISTA DA COMPLEXIDADE, E NÃO DO SEU DESCONHECIMENTO.

É um processo árduo, muito trabalhoso. “Para ser verdadeiramente simples, é preciso ir muito fundo”, afirma Johnathan Ive, designer industrial e alma gêmea de Jobs na busca pela simplicidade. Foi assim com todos os produtos que desenvolveu: no caso do iPod, Steve Jobs e sua equipe quebraram as cabeças para que o usuário conseguisse o que quisesse com apenas três cliques.

E foi assim em todas as indústrias que “perturbou”. Jobs sempre se perguntava quais dessas indústrias estava lançando produtos mais complicados do que o necessário; e, ao identificá-las, para elas dirigia toda a sua concentração, toda a sua intuição para descomplicá-los.

Quando ficar para trás, pule por cima

O que distingue uma empresa inovadora não é só propor novas ideias antes das concorrentes. Ela também precisa saber como dar um salto quando percebe que ficou para trás.

Isso aconteceu com a Apple na ocasião em que a empresa desenvolveu o iMac original: Jobs empenhou-se para tornar o dispositivo o melhor no que dizia respeito à edição de fotos e vídeos, mas foi rapidamente ultrapassado na questão de como o usuário lidava com a música (o iMac não gravava CDs).

Então, em vez de simplesmente aprimorar o equipamento para alcançar os outros, Steve Jobs resolveu dar o salto: criou um sistema integrado que permitia aos ususários comprar, armazenar, administrar e tocar música do que qualquer outro: o resultado foi o surgimento do iTunes, da iTunes Store e do iPod.

Ponha sempre os produtos na frente do lucro

Desde os primórdios, quando Steve Jobs e sua pequena equipe desenvolveram o MacIntosh original no começo dos anos 80, a premissa era: “fazer algo absurdamente bom”. Jamais mencionou-se “maximização dos lucros” ou decisões para “majorar o custo-benefício”. Como se sabe, Jobs sempre se dedicou, acima de tudo, a desenvolver bons produtos; os lucros seriam consequências.

Ele acreditava firmemente que, quando uma empresa começa fazendo ótimos produtos e depois “o pessoal do marketing e das vendas toma conta”, ela estará fadada a se declinar, pois a prioridade se torna o lucro. O desenvolvimento de produtos perde importância, e isso pode ser fatal.

Incentive a perfeição

Dentre as características de Steve Jobs, uma das mais admiradas e temidas era o seu perfeccionismo. Era sua busca pela perfeição que o fazia ser um líder sobretudo duro e intransigente, obrigando suas equipes a recomeçarem processos já quase concluídos por conta de detalhes.

Aconteceu com o filme Toy Story que, já em fase final avançada de produção, acabou sendo reescrito por Jobs e o diretor, John Lasseter, por conta da instatisfação destes com o resultado até então. E aconteceu com o design inicial do iPhone, do qual Jobs se deu conta não gostar nem um pouco. Então, de volta à prancheta.

E, a julgar pelo estrondoso sucesso destes dois exemplos, dá para entender como podemos sempre aprimorar algo que já parece perfeito. Sempre há uma nova perspectiva a ser abordada, uma nova pergunta a ser feita.

E todo esse pensamento é traduzido por aquela máxima que talvez melhor descreva o espírito profundamente revolucionário de Steve Jobs; que talvez seja sua grande contribuição para empreendedores e para, afinal, qualquer ser humano que busque fazer a diferença, que procure “deixar uma marca no universo”:

STAY HUNGRY, STAY FOOLISH (EM PORTUGUÊS: “CONTINUEM FAMINTOS, CONTINUEM TOLOS”)

Se você quer saber um pouco mais, esta interessante matéria da Época traz os nove livros que Steve Jobs acreditava que toda pessoa deveria ler.

E abaixo, o famoso e imensamente inspirador discurso que ele fez aos graduandos de Stanford. (Eu não me canso de assistir!) 

Fonte: Portal Endeavor

12 ago 2015

FERRAMENTAS ESSENCIAIS E GRATUITAS

No Comments Administração e Gestão, Aprendizagem, Economia Digital, Empreendedorismo, Gestão do Tempo, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo

Pouco tempo livre e desafios de sobra? Confira estas ferramentas!

lounge-empreendedor-ferramentas-de-gestão

Sabemos que você já leu muito sobre gestão de negócios, mas às vezes faltam aquelas instruções mais práticas, que vão te ajudar a transformar o que você aprendeu em ações no dia-a-dia na empresa. Por isso, resolvi trazer para o Lounge Empreendedor a dica sobre 10 materiais que a Endeavor separou para empreendedores que precisam ir direto ao ponto. Afinal, sempre ouço aquela velha pergunta: como eu aplico esse conceito para alavancar meus resultados?

Faça o download gratuito e comece a usar hoje mesmo!

1) Matriz de gestão de tempo para quem sente que 24 horas é pouco

Se você ainda é responsável por boa parte das atividades da sua empresa, das finanças à gestão de pessoas, essa matriz é feita pra você.

2) 5W2H: um plano de ação para quem quer colocar a mão na massa

Estar preparado para executar um novo projeto é tão simples quanto responder a essas 7 perguntas. Comece agora!

3) Guia de Definição de metas para PMEs

Toda empresa precisa ter metas para continuar crescendo. Se você já sabe aonde quer chegar, as metas seguem a linha de resultados que te leva até lá.

4) 8 passos para quem quer vender mais do que um produto

A ferramenta “Job to Be Done” te ajuda a enxergar seu produto como experiência de consumo e a transformar a noção de preço em valor.

5) Design Thinking para quem quer criar um negócio inovador

Siga essas quatro etapas e avance na construção de uma experiência de consumo desejada pelos seus futuros consumidores.

6) Mapa de Empatia para quem quer conhecer melhor seu público

Entender as verdadeiras necessidades e aspirações dos seus futuros consumidores é metade do caminho para criar algo relevante e desejável. Pegue esse atalho!

7) 10 Passos para Captar Clientes de Grande Porte
Direcionar seus esforços de captação aos clientes que mais vão te trazer retorno pode ser a melhor estratégia para empresas com um time de vendas reduzido.

8) Matriz BCG para quem quer apostar nos produtos que dão certo

Vaca-leiteira, estrela, abacaxi ou um grande ponto de interrogação. Classificar sua oferta de produtos com esses quadrantes vai te ajudar a melhorar suas apostas.

9) AIDALA para quem quer criar uma campanha de Marketing sem igual

Da conquista à fidelização, aprenda como criar uma estratégia consistente em cada etapa do seu planejamento de Marketing.

10) Técnica de 5S para quem sempre deixa a arrumação para depois

Seja em um escritório ou na garagem da sua casa, descubra como melhorar a organização do ambiente da sua empresa para aumentar a produtividade do time.

Fonte: Portal Endeavor 

02 jun 2015

NEGÓCIOS NA PALMA DA MÃO

No Comments Administração e Gestão, Economia Digital, Empreendedorismo, Internet, Mercado, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Oportunidade de Negócio, Web

Com tantos consumidores conectados, chegou a hora de aproveitar de forma integral as potencialidades digitais na sua empresa.

lounge-empreendedor-negócios-na-palma-da-mao

Mais de sete bilhões de dispositivos móveis – smartphones, tablets, laptops e celulares – estão conectados no mundo. A mobilidade elimina as barreiras de tempo e espaço, altera os comportamentos individuais dos consumidores e as soluções empresariais. Mas quais são as implicações da mobilidade para o seu empreendimento?

A mobilidade transforma praticamente todos os negócios, pois clientes, funcionários e parceiros encontram-se conectados o tempo todo, com acesso a informações em tempo real. Adotar estratégias móveis dentro de uma empresa é essencial hoje em dia. Por esse novo canal, a empresa pode se diferenciar, principalmente em mercados altamente competitivos. A mobilidade pode dar maior eficiência aos serviços prestados aos consumidores, reduzir custos de operação, aumentar a produtividade no trabalho e conferir maior rapidez e flexibilidade nas decisões.

Clientes conectados

Por meio dos seus dispositivos móveis e o acesso às redes sociais, os consumidores utilizam as informações disponíveis antes de adquirir produtos e serviços. Segundo pesquisa da IBM, cerca de 80% dos consumidores conectados se baseiam nas redes sociais para tomar decisões de compras. Assim, as informações sobre produtos e serviços ofertados devem ser disponibilizadas ao cliente.

Além disso, o engajamento do consumidor no processo de construção de conteúdo é essencial, já que a mobilidade implica o desenvolvimento colaborativo de informações. A mobilidade ainda amplia o acesso a clientes para além de fronteiras físicas e fusos horários. O mercado passa a ser global e negócios inovadores podem atingir audiências de massa globalmente.

As empresas que já possuem aplicações móveis mais básicas podem ir além e desenhar a estratégia de negócios integrada à mobilidade, reestruturando processos físicos para aproveitar as potencialidades digitais. Nesse cenário, as soluções móveis alteram as aplicações e como são entregues.

Força de trabalho

Até 2016, 40% da força de trabalho mundial utilizará diariamente dispositivos móveis de acordo com a consultoria Gartner. Essa tendência apresenta uma oportunidade para que as companhias estejam conectadas com os funcionários e disponibilizem informações úteis sobre clientes, o mercado e a empresa em tempo real.

Para as equipes de venda, os dispositivos móveis reúnem mostruários e informações sobre estoque, prazo de entrega, acompanhamento de pedidos, linha de crédito etc. Essas aplicações permitem a customização e aumentam a eficácia dos serviços prestados aos clientes.

Os empreendimentos podem diminuir os gastos com operações e escritórios físicos por meio do trabalho à distância, ou home office, levando aos funcionários as informações necessárias para o desempenho de suas funções – desde que compatíveis com esta modalidade remota.

Antes de estruturar os processos do seu empreendimento integrando a mobilidade, é necessário planejamento e governança para assegurar escalabilidade, disponibilidade e segurança das aplicações, pois os dispositivos móveis são também porta de acesso a informações estratégicas e sigilosas do empreendimento. Além disso, a companhia precisa assegurar que as aplicações sejam atualizadas com as versões mais recentes das ferramentas. Outra dica é comparar e fechar um pacote de telefonia móvel e internet para a sua empresa, com preços mais competitivos.

Trabalhadores, parceiros e consumidores estão vivendo e trabalhando no mundo móvel, trazendo novas demandas às empresas. A mobilidade também apresenta oportunidades para que as empresas agreguem valor à estratégia de negócios e ofereçam ferramentas e informações que seus trabalhadores precisam para aumentar a produtividade.

Antonio Gil é graduado em Engenharia de Produção pelo ITA, Presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), ligado à Presidência da República.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...