Complexidade não significa efetividade quando o assunto é planejamento da sua empresa. Acerte na escolha! Preocupação com o passado ou ansiedade com o futuro são sentimentos que não ajudam quem quer uma vida melhor. Remova o medo da sua vida e seja o que sempre sonhou! Inteligência e honestidade emocional: você já parou para pensar em como seus sentimentos influenciam suas decisões? Páre e pense agora! Estabelecer limites saudáveis nos relacionamentos do ambiente de trabalho pode ser crucial para você. Fique atento! Sua qualidade de vida é determinada pelas escolhas que você faz diariamente. Veja aqui como tirar o máximo proveito da sua vida! Coaching: faça sua consulta e agende seu horário para entender como esse processo pode ajudar você.
31 jul 2015

ASSÉDIO SEXUAL NO TRABALHO

No Comments Ações Sociais, Ambiente de Trabalho, Carreira, Sociedade e Política, Viva Positivamente

Abusar da hierarquia da empresa para tirar vantagens sexuais é assédio sexual, e isso é crime. A primeira dica é romper o silêncio e denunciar o ato, saiba como!

lounge-empreendedor-assedio-sexual-no-trabalho

O assédio do chefe começa, na maioria das vezes, como uma brincadeira inocente. A prática vai se intensificando e, quando você percebe, já está de mãos atadas. Muitas mulheres sofrem em situações como essa no dia a dia e o pior: caladas e com medo de perder o emprego. Abusar da hierarquia da empresa para tirar vantagens sexuais é assédio sexual, e isso é crime.

Num caso relatado no site do Tribunal Superior do Trabalho (TST), um supermercado localizado na cidade gaúcha de Viamão teve de pagar R$ 10 mil a uma balconista assediada por um dos donos da empresa durante o trabalho. No último exame do caso, a Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a recurso da empresa, que pretendia ser absolvida da condenação. Segundo a empregada, o patrão a teria assediado passando a mão em seus seios e fazendo comentários libidinosos sobre eles.

Em outro caso, este publicado no dia 15 de novembro de 2013, um mero galanteio, a paquera e olhares de admiração não apresentam assédio sexual segundo a 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região. O colegiado analisou um pedido de indenização por danos morais de uma mulher que alegou ter sofrido por seu chefe "atos tendentes a obter favores sexuais contra a sua vontade".

A juíza relatora disse não ter visto provas de assédio sexual ou moral, pois em ambos os casos não houve pressão reiterada. Segundo a juíza, não houve assédio moral pela ausência de perseguição constante ou "terror psicológico capaz de incutir no empregado uma sensação de descrédito em si próprio". 

O que, então, caracteriza o assédio sexual?

 

Numa pesquisa realizada com 478 pessoas e divulgada em 2012 pelo site Trabalhando.com, 40% já sofreu algum tipo de assédio sexual no ambiente de trabalho, sendo 32% mulheres e 8% homens. Embora existam casos inversos em que o homem se vê assediado por uma mulher, essa não é a regra e sim a exceção. O assédio sexual é crime com legislação específica e penalidades previstas. (Veja a cartilha desenvolvida pelo Ministério do Trabalho e Emprego)

O assédio acontece quando o homem, principalmente em condição hierárquica superior, não tolera ser rejeitado e passa a insistir e pressionar para conseguir o que quer e isso pode ser expresso de várias formas. No ambiente de trabalho, atitudes como piadinhas, fotos de mulheres nuas, brincadeiras consideradas de macho ou comentários constrangedores sobre a figura feminina podem e devem ser evitados.

É o constrangimento caracteriza o assédio. Uma cantada, até mesmo um convite para sair, pode ser feito no ambiente profissional, mas é preciso que isso não ameace o posto de trabalho de nenhum dos lados e muito menos seja feito sob ameaça. Ao que se arriscou fazer o convite é preciso também saber ouvir não. 

Outro fator relevante é entender que assédio sexual é o praticado apenas por chefes em relação ao subordinado. Pessoas do mesmo cargo que tentam insistentemente uma abordagem sexual e outros atos de constrangimento são considerados assédio moral. Gritar ou expor ao ridículo em alguma situação são outros exemplos do que configura crime.

Segundo a professora Adriana C. Calvo, mestranda da PUC/SP, há dois tipos de assédio sexual. A chantagem é o tipo criminal previsto pela Lei nº 10.224/2001. O outro é a intimidação, a intenção de restringir, sem motivo, a atuação de alguém ou criar uma circunstância ofensiva ou abusiva no trabalho. As mulheres ainda são as maiores vítimas do que a legislação denomina assédio sexual.

A Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém do Pará, 1995 – CEDAW) classifica o assédio sexual no trabalho "como uma das formas de violência contra a mulher". As informações são da cartilha atualizada e elaborada pela Subcomissão de Gênero com participação da Comissão de Ética do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Se você sente que passa por algo parecido, não se cale. Preparamos algumas dicas sobre atitudes que você pode tomar já:

  • Dizer não ao assediador, com a maior clareza
  • Contar aos colegas de trabalho o que está se passando e reunir todas as provas possíveis
  • Contar para a chefia hierarquicamente superior ao assediador, se houver
  • Denunciar ao Sindicato da categoria
  • Em casos extremos, procurar uma delegacia mais perto e a apresentar queixa.

lounge-empreendedor-assedio-sexual-no-trabalho

30 jul 2015

COISA DE GENTE GRANDE

No Comments Aprendizagem, Carreira, Coaching, Comportamento, Inteligência Emocional, Motivação, Propósito

Que os desenhos marcam nossa infância não é novidade, até porque você já foi criança e deve ter boas lembranças dos seus prediletos. Mas o que podemos aprender com eles também como adultos?

lounge-empreendedor-coisa-de-gente-grande-flash

Sempre gostei de desenhos animados, assisto mesmo depois de adulta e não posso culpar meus filhos por essa minha preferência. Na verdade, com lições de vida cada vez mais complexas, muitas dessas super produções têm nos dado boas reflexões e um universo de coisas a filosofar.

Desde a infância, os desenhos nutrem nossa curiosidade pelo sentido das coisas. Quem não bombardeou seus pais com perguntas do tipo “por que o céu é azul?”, “para que servem os mosquitos?”, “onde as estrelas se escondem?”. No entanto, com o tempo, esse olhar sobre o mundo, se volta mais para dentro de nós e queremos entender a razão pela qual estamos aqui e, sobretudo, de que forma podemos nos tornar realizados. Só que como diria, Flash, um dos super heróis mais poderosos dos desenhos animados:

“a vida não nos dá um propósito, nós damos um propósito para a vida”.

 

Em outras palavras, buscamos significados! Basta refletirmos sobre os rituais de passagem, sobre os pontos de nossa trajetória em que ganhamos experiência e aprendizado para novos ciclos, novas buscas. Cada um deles tem um significado e revelam encontros com novas competências, habilidades ou atitudes previamente desconhecidas.

Grande parte das pessoas que procuram meus serviços de coaching quer descobrir esse significado, esse propósito capaz de torná-las mais felizes em suas carreiras ou em suas empresas. Pois, hoje, eu vou lhes dizer algo que pode, em um primeiro momento, soar um tanto chocante, vindo de mim: “Não esperem um propósito para viver!”

A busca interminável por um propósito que caia em suas mãos, escrito em letras douradas e trabalhadas num papiro precioso não pode ser motivo para a procrastinação. Mova-se. Conecte-se às pessoas. Tenha novas experiências. Inspire-se. É exatamente a sua inspiração que irá ajudá-lo a encontrar o significado que tanto procura.

Faça uma lista das coisas que você faz para se divertir ou que você realmente gosta, aquelas que você faria simplesmente pelo prazer que lhe trazem. Depois disso, identifique quem são as pessoas que você admira e por que. Escreva quantos nomes você puder pensar. Quando estiver pronto, olhe a lista e perceba que o que você aprecia nos outros, também está em você. Somos atraídos por qualidades que também possuímos, porque de alguma forma elas falam conosco. Apenas nas leis da física os opostos se atraem. Pense nisso e então, adote estas características que você admira nos outros como forma de você se mostrar para o mundo.

Se ficar se perguntado qual é o seu propósito não tem ajudado muito a encontrar o seu caminho, é hora de fazer algo diferente. Como já dizia Einstein, é loucura continuar fazendo a mesma coisa e esperar resultados diferentes. Mantenha-se consciente sobre a forma como você age em cada momento e saiba que, muitas vezes, é caminhando que se encontra o caminho.

lounge-empreendedor-einstein-coisa-de-gente-grande

28 jul 2015

RIO 2016: QUAL O PROPÓSITO DISSO TUDO?

No Comments Capital Humano, Coaching, Datas Especiais, Economia Criativa, Empreendedorismo, Inovação, Mercado, Olimpíadas, Sociedade e Política

Legado ou aprendizado? Como podemos aprender com as Olimpíadas?

lounge-empreendedor-rio-2016

Como ex-atleta de natação que gravava as competições para ficar horas analisando a técnica dos grandes nadadores, pensando em como eu poderia melhorar, fico ansioso só de imaginar a grande migração de pessoas para um único lugar e todos envolvidos no espírito olímpico: Citius, Altius, Fortius (mais rápido, mais alto e mais forte). Competir com honra, respeito e determinação. Foi esse espírito e pensamento que me tornou um apaixonado pelo desenvolvimento humano. O esporte é um palco em que podemos aprender muito e levar isso para nossa vida. 

Os Jogos Olímpicos, se não for o maior, com certeza é um dos maiores eventos do mundo e faltam menos de 400 dias para a abertura oficial. Serão mais de 10 mil atletas de 205 países, que disputarão 306 medalhas durante 17 dias, sendo 136 provas femininas, 161 masculinas e 9 mistas. As competições serão disputadas em 33 locais de provas, a organização contará com 45 mil voluntários, 85 mil funcionários terceirizados e 8 mil funcionários, ou seja, não só os atletas se preparam, a cidade sede e toda nação brasileira também, e é esse tema que vamos explorar.

Em relação aos gastos, uma das principais preocupações dos brasileiros, segundo o portal Rio 2016 foram investidos R$ 7.4 bilhões até agora. Desse valor são provenientes: 40% de patrocinadores locais, 25% contribuição do COI, 16% da venda de ingressos, 12% de patrocinadores internacionais e 7% de licenciamentos e receitas diversas. Esse valor foi e será investido em despesas operacionais do evento (credenciamento, alimentação, seleção e treinamento, despesas médicas), tecnologia (resultados oficiais através de sistemas e softwares, 7 mil pontos Wi-Fi, infraestrutura para transmissão, telecomunicações, servidores, segurança dos sistemas, telões), competições e cerimônias (1 milhão de equipamentos esportivos, 832 eventos olímpicos e paraolímpicos, 4 grandes cerimônias), acomodações (34 mil quartos), transportes (deslocamentos com 5 mil veículos, 2 mil ônibus, 4500 motoristas, 26 milhões de km rodados).

Mas e o legado urbanístico de desenvolvimento para a cidade? Isso foi e continua sendo muito falado e explorado por políticos e cartolas do esporte. Recentemente Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, disse que o Rio deixará Barcelona no chinelo. A cidade é referência no assunto de legado esportivo em Jogos Olímpicos. Mais de duas décadas após a Olimpíada de Barcelona, hoje a cidade é irreconhecível para aqueles que a conheciam antes. A principal modificação foi na área portuária, antes praticamente esquecida e hoje é o metro quadrado mais disputado da cidade. Os quatro núcleos que concentraram as instalações esportivas dos Jogos foram conectados por quase 50 Km de novas vias que durante os Jogos facilitaram a circulação das pessoas e após aliviou o tráfego. Barcelona se tornou pólo de negócios, um dos destinos mais cobiçados por turistas (o número de visitantes mais que dobrou na década seguinte), o aeroporto se modernizou e cresceu, além de outros benefícios difíceis de serem mensurados como influência, diversidade e charme.

Londres em 2012 também teve um legado importante. A área industrial foi revitalizada começando pela descontaminação do solo, um trabalho de quatro anos a um custo de R$ 230 milhões, que levou a limpeza de 2 milhões de toneladas de solo descontaminado dos resíduos tóxicos. Um detalhe interessante: algumas instalações esportivas de Londres foram feitas para serem totalmente transportadas para outros lugares, não se tornando um elefante branco na cidade e tendo seu valor justificado pelo uso completo da estrutura. O que não aconteceu com algumas instalações de Barcelona, por exemplo o parque aquático e o estádio, que estão obsoletos e mal cuidados. Em parte, pela crise econômica, e o que os espanhóis juram que será revertido assim que a situação melhorar.

E o que o coaching tem a ver com tudo isso? Vivemos em um mundo sistêmico onde o bater das asas de uma borboleta aqui pode causar um furacão no Japão (efeito borboleta). Mas parando para pensar no que isso reflete em nós. Quantas vezes aguardamos um evento, um fato, uma situação que venha mudar nossas vidas? Dizemos coisas como: quando eu tiver um cargo de liderança, quando eu casar, quando eu tiver um salário melhor, quando eu me mudar para tal lugar. E às vezes quando essas coisas chegam não temos o ímpeto ou a força necessária para implementar a mudança real.

Será que o Rio conseguirá melhorar o trânsito? Revitalizar áreas degradadas? Limpar a Baía de Guanabara? Analisando esse processo pela perspectiva do coaching podemos perceber que falta muito planejamento, cumprimento dos prazos estabelecidos (ou falta de coerência ao se os estabelecer), não há um objetivo claro e bem definido (apenas dizer que haverá um legado é pouco específico, que tipo de legado queremos deixar?). Talvez vale a reflexão: qual o propósito disso tudo?

*Alexandre Nakandakari – É sócio da Questão de Coaching, com formação em Educação Física com especialização em Treinamento Desportivo, Practitioner PNL e analista de Assessment DISC. 

 
 
 
 
24 jul 2015

APRENDA COM SEUS ERROS

No Comments Aprendizagem, Carreira, Coaching, Comportamento, Comportamento Empreendedor, Confiança, Nem Todo Empreendedor Nasce Sabendo, Superação

Desde cedo, somos programados para achar que errar é ruim. Uma crença que nos impede de aprender com os tombos levados, mas que você pode mudar AGORA.

 lounge-empreendedor-aprenda-com-os-erros

Todos nós temos medo do fracasso. Entretanto, não conheço uma única pessoa que tenha experimentado uma cadeia ininterrupta de vitórias. Todos experimentamos retrocessos, derrotas, perdas, rejeição e fracassos. Ninguém é perfeito.

O que nos torna mais bem sucedidos é a capacidade de resposta que desenvolvemos às experiências que dão errado e o tempo que gastamos em curar nossas feridas. Assim como os animais, precisamos aprender a lambê-las, sem deixar o campo de batalha.

É claro que ninguém começa uma empreitada esperando terminá-la mal. Nenhum atleta ouve o tiro da largada esperando o último lugar. Nenhum empreendedor idealiza a falência como meta no final do mês. Mas você já deve ter ouvido o quanto experiências negativas foram importantes para pessoas que admira.

Nas palavras do escritor americano Denis Waitley: “O fracasso deveria ser nosso professor, não nosso coveiro. A falha é um atraso, não uma derrota. É um desvio, não uma rua sem saída. O fracasso é algo que conseguimos evitar apenas se não dissermos nada, se não fizermos nada e se não formos nada.” Eu prefiro ser muito!

Histórias de superação nos ajudam a entender o valor que cada ser humano adquire em suas próprias derrotas e como transformam o fracasso em lição aprendida, em degraus para o sucesso tão almejado.

Caso você duvide desta capacidade, pense nos aprendizados simples que pode adquirir com a rejeição, a perda e o fracasso. Você descobrirá novas habilidades; descobrirá quem são seus amigos de verdade e jogará para longe boa parte de seu orgulho e arrogância Perceberá, ainda, que não pode agradar a todos e, assim, se tornará mais forte e confiante. Vai deixar de perseguir dúvidas como “e se?” para fazer as coisas acontecerem; deixará de lado a síndrome do super-herói e pedirá ajuda. Para, então, finalmente, valorizar seu sucesso quando ele acontecer. 

Já percebeu como as maiores celebrações vêm depois de batalhas difíceis? Pois é… Se enfrentarmos as adversidades como uma cutucada do destino indicando-nos outra direção e se obedecemos a este sinal, é certo que a experiência se tornará positiva. Mas, se o fracasso for vivido como indicação de fraqueza e ficarmos remoendo a situação até produzirmos um complexo de inferioridade, então, dias piores virão.

Talvez essa lista possa ajudar você a guiar seu processo de reflexão e aprendizado com seus erros:

  1. A aceitação da responsabilidade é essencial para tornar o aprendizado possível.
  2. Não iguale o erro honesto resultante de um experimento planejado com erros devidos à irresponsabilidade, incompetência ou descaso.
  3. Você não pode mudar seus erros, mas você pode escolher como responder a eles.
  4. O crescimento começa quando você pode ver espaço para melhorias.
  5. Procure entender porque o erro aconteceu; investigue para conhecer suas causas.
  6. Que sequência de pequenos erros levou ao grande erro?
  7. Que informações poderiam ter evitado o erro?
  8. Há alternativas que poderiam ser consideradas, mas não o foram?
  9. Que mudanças são necessárias para evitar a repetição deste erro?
  10. Que tipos de mudanças são difíceis para você?
  11. Que tipo de comportamento você precisaria mudar em situação semelhante?
  12. Mas não se iluda, a próxima situação não será idêntica à última. O erro pode até se repetir, mas as causas e conseqüências podem ser diferentes.

Acho engraçado como em quase todas as atividades humanas, a natureza parece favorecer "os tolos" ou "os loucos" que não sabiam que podiam fracassar e que seguiram em frente fazendo "o impossível" em detrimento daqueles que repetidamente afirmam “isto não pode ser feito”.

Cada ser humano traz consigo um infinito poder de vencer as adversidades. Nossas únicas limitações são aquelas que impomos às nossas mentes. Por isso, deixe de lado o comodismo, a preguiça, a procrastinação, o egoísmo, a vaidade e ambição descontroladas, a falta de lealdade, os vícios, a desonestidade, e acredite: DIAS MELHORES VIRÃO!​

24 jul 2015

MUDANÇA NA REGRA PARA MEI COM 12 MESES DE DÍVIDAS

No Comments Economia, Empreendedorismo, Legalização de Empresa, MEI - Empreendedor Individual, SEBRAE

Fique atento! Empreendedores individuais inadimplentes poderão perder seu registro à partir de agosto.

lounge-empreendedor-desespero

O Microempreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Ele tem duas obrigações por ano: pagar os tributos mensais e fazer a declaração anual de faturamento (DASN). Apesar da facilidade, dos 5 milhões MEIs do País, boa parte está inadimplente. E poir isso: ATENÇÃO! A partir de agosto, quem estiver com 12 meses consecutivos em atraso e não tiver feito a DASN poderá ter o cancelamento automático do registro, incluindo o CNPJ.

Para regularizar sua situação, o empreendedor deve quitar os atrasados. Caso não consiga liquidá-la de uma vez, é possível emitir e pagar os boletos gradualmente até zerar a dívida. Bruno Caetano, superintendente do Sebrae-SP, lembra que a inadimplência leva o trabalhador a ter os benefícios previdenciários – como auxílio-doença, salário-maternidade e aposentadoria – suspensos e explica que o acerto não garante a retomada imediata desses direitos “Há um período de carência, definido pela Previdência Social, para a cobertura ser restabelecida”.

No Estado de São Paulo, o total de inadimplência ultrapassa 50%. Vários são os motivos para o problema, mas muito é pela falta de conhecimento sobre como fazer o recolhimento mensal. Por isso, para auxiliar os empreendedores, desde o começo do ano, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE) passou a enviar para o endereço cadastrado, no momento da formalização, o Carnê da Cidadania. A medida, segundo Caetano, “veio para facilitar o acesso às guias de pagamento das contribuições”.

Aliás, vale lembrar que se você iniciou uma empresa e agora deseja fechar seu negócio não deve simplesmente parar de pagar, como acontece com frequência. A recomendação é dar baixa o mais rápido possível ou novos recolhimentos serão exigidos.

A Declaração Anual, documento em que o MEI informa quanto faturou no ano anterior, merece atenção. Quando não enviada no prazo, é cobrada multa e os boletos mensais não podem ser emitidos. Sem ter como honrar a obrigação, o empreendedor torna-se inadimplente.

A criação do MEI foi uma das maiores conquistas do empreendedorismo brasileiro. Deu credibilidade ao profissional, que assume outro patamar no mercado. Porém, é fundamental que esses empresários cumpram com as obrigações para que tenham garantidos os benefícios previdenciários.

Caso você precise regularizar sua situação, espero que esse passo a passo possa ajudá-lo:

  1. Acesse o Portal do Empreendedor: www.portaldoempreendedor.gov.br
  2. Clique em “MEI”
  3. Selecione carnê de pagamento mensal (“emissão de carnê de pagamento – DAS”)
  4. Informe o ano e o mês que quer imprimir ou opção extrato
  5. Clique em “emissão ou visualizar meses em débito”
  6. Gerar o DAS que será impresso já totalmente preenchido, incluindo os juros e a multa (valores atualizados)
  7. Imprima o DAS (no pagamento pela internet não é necessário)
  8. Pagar na rede bancária, lotéricas ou internet